whos.amung.us

terça-feira, 27 de julho de 2010

Parágrafos instintamente meditados

Ao acaso não entreguei minha vida. Estou prestes a construir tantas coisas novas. Com sentido.

Peguei tua mão outro dia e notei que você tem urgência.
Uma urgência tenaz.

Os paragrafos se complementam no sentido incógnito das palavras.
Retomando qualquer sentido, a priori, meditado, entulhado, assoberbado.

Consciencias distraídas que encontram paralelamente uma a outra consciencia e se unem pra esquecer suas barreiras transcendentais do universo que um dia habitaram.

Disseste que se tua voz tivesse força igual...a imensa dor que sentes. Tua voz tem.

Pedidos atendidos? Até quando seguiremos os caminhos que nos levam a essa paz súbita que exprimem alguma derrota do que se foi? Viva-se o bendito!

Hare krishna. Om.
Imortalidade, união e paz.

A fé. Quero repartir a fé. Quero que sejas um bom homem. Que saiba levar tua vida de acordo com o que acredita. Você deve ser luz na vida. Embora teus desejos carnais te façam indigno. Faça teus defeitos cairem por terra. Ou viva-os até que percam o sentido de importancia. Eles não são primordiais.

Primeiro quero que minha alma suba. Mas ainda quero permanecer nesta dimensão, tenho ainda o que fazer. E terei até que a paz celestial mande-me novos horizontes.

Eu amo. Eu não acredito em hipóteses paradisiacas, mas sinto que amor é paz. Se ainda não é, será.

Te disse. Falei com todas as cores que tua vida é essencial. Nada no universo está agora desse jeito sem teu nascimento. Um segundo vivido. A sincronicidade a solta. A engrenagem do universo em alta frequencia.

Meditação inteiramente prescrita.
Vide a bula.
Ooooooommmmmm.


Nancy Nespoli da Silva
*************************************************************************************


Todos os dias têm a sua história, um só minuto levaria anos a contar, o mínimo gesto, o descasque miudinho duma palavra, duma sílaba, dum som, para já não falar dos pensamentos, que é coisa de muito estofo, pensar no que se pensa, ou pensou, ou está pensando, e que pensamento é esse que pensa o outro pensamento, não acabaríamos nunca mais.
José Saramago em Levantado do Chão

Nenhum comentário: