whos.amung.us

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Não deixe nada pra depois.

Hoje me peguei pensando o que poderia fazer pra dar mais nitidez a minha alma. O que poderia fazer pra não deixar só em pensamentos a alegria de ajudar alguém necessitado. Há anos penso como poderia ajudar, mas sabe quando fica só no desejo? O tempo passa e esse desejo não tomou ainda uma forma concreta.Eu já doei brinquedos pra crianças, mas ainda não é só isso, gostaria de me engajar numa causa maior, de voluntariado, de doação, de troca com amor. Estou escrevendo isso aqui, porque talvez alguém possa colaborar com idéias, com sugestões. Meu tempo anda bem curto, no sentido de que trabalho, estou fazendo auto escola, estudando pra um concurso e terminando uma pós-graduação. Mas me engajar num projeto deste tipo eu encontraria todos os momentos possiveis no sentido de ter tempo. 

***

Talvez um voltasse, talvez o outro fosse. Talvez um viajasse, talvez outro fugisse. Talvez trocassem cartas, telefonemas noturnos, dominicais, cristais e contas por sedex (...) talvez ficassem curados, ao mesmo tempo ou não. Talvez algum partisse, outro ficasse. Talvez um perdesse peso, o outro ficasse cego. Talvez não se vissem nunca mais, com olhos daqui pelo menos, talvez enlouquecessem de amor e mudassem um para a cidade do outro, ou viajassem junto para Paris (...) talvez um se matasse, o outro negativasse. Seqüestrados por um OVNI, mortos por bala perdida, quem sabe. Talvez tudo, talvez nada.
Caio Fernando Abreu

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Tomando whisky com o poetinha

Agonia

No teu grande corpo branco depois eu fiquei.
Tinha os olhos lívidos e tive medo.
Já não havia sombra em ti – eras como um grande deserto de areia
Onde eu houvesse tombado após uma longa caminhada sem noites.
Na minha angústia eu buscava a paisagem calma
Que me havias dado tanto tempo
Mas tudo era estéril e mostruoso e sem vida
E teus seios eram dunas desfeitas pelo vendaval que passara.
Eu estremecia agonizando e procurava me erguer
Mas teu ventre era como areia movediça para os meus dedos.
Procurei ficar imóvel e orar, mas fui me afogando em ti mesma
Desaparecendo no teu ser disperso que se contraía como a voragem.

Depois foi o sono, o escuro, a morte.

Quando despertei era claro e eu tinha brotado novamente
Vinha cheio do pavor das tuas entranhas.
(Vinicius de Moraes)

APRENDENDO A LIÇÃO

Minuciosas coisas. Pequenos detalhes que fazem a vista ficar mais alegre. Uma recordação, que seja! A vida é tão importante pra levarmos misérias a sério. Fechei meus olhos a muito tempo, sonhei e não me contentei de só sonhar, alguns sonhos consegui torná-los pesadelos, daqueles que a gente se arrepende de ter dormido. Esse pesadelo que aqui relato se chamava culpa. Culpa até por ser capaz. Hoje vejo com mais liberdade que minha vida estava sendo montada pela culpa de se sentir culpada.Uma base totalmente esburacada pra construir qualquer coisa. Na verdade é facil se culpar e só, cruzar os braços. Na verdade  um sentimento fino tomou uma dimensão universal. Minha alma ficou leve por sentir que tudo isso tem cura! E a cura é só a verdade mais pura que você leva dentro do peito, que você não quis entender, por medo e por culpa. Ouça tua alma, fique de bem com teu irmão, bendiga tua família, abençoe o erro dos outros, você erra também, sinta a liberdade de ser você, faça dieta, esporte, tome uma cerveja, um porre, mas não se culpe! Se abençoe! Faça uma viagem espiritual dentro de você e veja o que realmente vai acrescentar na tua essencia. É só o q se leva dessa viagem terrena! 

*

Quero agradecer a todos que vem deixando uma parte de suas essencias, de suas opiniões aqui neste espaço. Pessoas que conheço pessoalmente e outras virtualmente. Uma troca muito incentivadora!!!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Será q bati a cabeça?

Isso é uma loucura!
Borbulha de sabão 
Destino, pressentimento
Pré- sentimento
Amor
Dúvida
Sofrimento, ciúme, tensão
Pedra, criança, dimensão
Abstração, desapego
Amor, colisão
Pensamentos leves
Conversas fiadas
Conversas afins
Olhares que sempre estiveram em mim
Olhares que não passam nem perto
Touchè
Espada, escudo, proteção
Liberdade na prisão
Bala de goma
Sexy appeal, morango e champagne
Sinuca de bico
Faca na caveira
Unha faca
Brincadeira de criança
Solta a alma
Vai
te dou um beijo
e você me ama
você me odeia
eu te amo
amor nos ronda
o carro morre
o pássaro canta
música caipira
festa na esquina
sopra a vela
faz beiço
chora
cala a boca
chorona
menina de luz
recheada de poesia
envelope dourado
sem destinatário
piada
a vida!

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Na leveza da vida...

Bem leve, inspiro.
Respiro no canto da sala.
Nuvens...não há teto...
Havia até agora uma linda estrela
Mas como a noite já se fez dia
Só a estrela maior é que brilha aqui dentro
Dentro desse farol da alma humana...
Dentro da retina dos meu olhos...
Um homem observa o palanque
Na avenida as pessoas estão apressadas
E no silêncio só me resta a alegria de observar
Na subsequencia dos fatos, a alegria de ver tudo como espetáculo!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Naturalmente registrado

Participo dum sistema onde tudo é denominado, mas só denomino algo quando acho necessário.